Referência em parto humanizado, HEF incentiva a amamentação no Agosto Dourado

A equipe da unidade do governo de Goiás está preparada para acolher e orientar as mães logo após o parto, seja na cesárea ou no parto natural

IMED - Instituto de Medicina, Estudos e Desenvolvimento | HEF - Hospital Estadual de Formosa | Agosto Dourado | Maternidade | Parto
Mês do Agosto Dourado no HEF em Goiás

 

O mês de agosto é dedicado ao incentivo da amamentação, conhecido como Agosto Dourado. E não apenas neste mês, mas durante todo o ano, o Hospital Estadual de Formosa(HEF), unidade do Governo de Goiás, promove o aleitamento como um pilar fundamental para a saúde materno-infantil.

Com um Centro Obstétrico (CO) moderno e estruturado, o HEF oferece atendimento de qualidade, bem como promove práticas de parto que considerem as necessidades individuais, garantindo uma experiência positiva e saudável para mães e bebês. A unidade hospitalar é referência no atendimento humanizado, com equipe capacitada para fornecer suporte emocional e informações sobre a importância do aleitamento materno. Os profissionais especializados estão aptos a proporcionar uma experiência acolhedora para as mães durante todo o processo de parto e pós-parto.

A diretora da unidade, Ana Brito, enfatiza a importância do Agosto Dourado. “Proteger a amamentação é uma responsabilidade de todos. A equipe do Centro Obstétrico é capacitada para oferecer todo o suporte em todas as etapas do parto. Além disso, fornecemos às famílias o primeiro apoio nessa jornada, educando as mães sobre a importância do aleitamento materno e oferecendo um atendimento humanizado para a população de Formosa e região", ressalta ela.

 

Rede de Apoio

Para Keylla Oliveira, uma das pacientes que está se recuperando do parto no ALCON (Alojamento Conjunto), a rede de apoio tem feito toda a diferença. Sua primeira experiência com amamentação não foi tão positiva, mas a mãe de segunda viagem está esperançosa para essa nova oportunidade.

Durante a amamentação do meu primeiro filho, meu leite secou com 5 meses. Acredito que o desgaste e a agitação do dia a dia contribuíram para esse problema, o que foi muito triste para mim. Mas agora, com minha filha, tenho conseguido amamentar muito bem. A equipe do hospital tem me acompanhado de perto, e também tenho o amparo da família. A conexão que a gente tem com o bebê na amamentação é inexplicável e a rede de apoio faz a diferença”, afirma a paciente do HEF, unidade gerida pelo Instituto de Medicina, Estudos e Desenvolvimento (IMED).

O papel principal da família é fornecer suporte emocional. Mas, frequentemente, são criados através do senso comum, alguns mitos sobre amamentação. Um dos principais é a ideia de que o leite da mãe é fraco e não é o suficiente para alimentar o bebê. 

Dra. Alessandra Souza, pediatra do HEF, explica que a influência externa é determinante na jornada de amamentação. “A importância da rede de apoio está em fazer a mãe entender que ela é capaz de amamentar e que esse processo é importante para que a criança se desenvolva e receba todos esses benefícios e nutrientes. A produção do leite está diretamente ligada à parte emocional”, explica a doutora.

 

Amamentação humanizada

O HEF adota o sistema de Alojamento Conjunto (ALCON), que segundo as diretrizes do Ministério da Saúde, é considerado como facilitador ao início da amamentação. Neste alojamento ficam as mães e os bebês que têm baixo risco, acompanhados por uma equipe multidisciplinar.

Para a pediatra do HEF, o ALCON coopera para que o início da amamentação seja mais tranquilo. ”O contato e a permanência da mãe com o recém-nascido trazem muitos benefícios para a amamentação. Essa conexão ajuda na questão emocional e, consequentemente, na amamentação. No HEF, elas são orientadas sobre amamentação, fases do leite e são incentivadas. Além disso, o contato com outras mães que estão passando pelo mesmo processo faz toda a diferença, pois a interação contribui significativamente para a produção de leite”, declara.

A equipe do HEF se dedica com um cuidado especial com as mães que passam pela unidade. Mariana Granado, coordenadora do CO enfatiza, que mais do que nutrir, a amamentação conecta a mãe a esse bebê que acabou de chegar. “Mas amamentar, apesar de ser algo natural, precisa ser aprendido. Pensando nisso, toda nossa equipe é preparada para acolher e orientar as mães logo após o parto, seja na cesárea ou no parto natural. O primeiro contato entre mãe e bebê é seguido de instruções, a fim de tirar todas as dúvidas”, conta Mariana.

Para marcar o mês de agosto estão previstas algumas ações para incentivar gestantes e mães puérperas ao aleitamento. A expectativa da equipe do HEF é alcançar o máximo de mães com informação e acolhimento.

 

Assessoria de Comunicação do HEF

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Últimas