Família enlutada volta ao HEF para agradecer o atendimento

Dedicação da equipe da unidade do governo de Goiás oferecer processo humanizado durante período de internação no hospital

 

IMED - Instituto de Medicina, Estudos e Desenvolvimento | HEF - Hospital Estadual de Formosa | Atendimento humanizado | Homenagem
Família do paciente homenageia equipe do HEF, em Goiás

Em cenários que envolvam cuidados paliativos, situações graves e falecimento, a abordagem humanizada torna-se essencial no relacionamento com a família do paciente. O Hospital Estadual de Formosa (HEF), unidade do governo de Goiás com gestão do Instituto de Medicina, Estudos e Desenvolvimento (IMED), busca esclarecer dúvidas, ajustar a linguagem - por vezes converter termos técnicos em expressões - e manter a transparência da abordagem quanto à situação e as medidas de intervenção adotadas em relação ao doente.

Bruna Queiroz é coordenadora de enfermagem na Unidade de Terapia Intensiva do HEF e conta que o vínculo que nasce da humanização impulsiona a equipe a buscar o melhor todos os dias no atendimento, relacionamento e respeito. “Nós sabemos que estamos no caminho certo quando tocamos o coração de pacientes e familiares e os surpreendemos com o nosso cuidado. Nosso objetivo aqui é honrar os pacientes e as famílias do primeiro ao último minuto”, afirma.

Honra. Essa é a palavra que resume a história da família de Espedito Pinheiro com o Hospital Estadual de Formosa. Ele foi um paciente de estado grave que por 48 dias esteve sob cuidados dos profissionais de saúde do HEF. Durante o tempo em que ficou na unidade, recebeu toda assistência e a sua família foi acolhida pelas equipes, em especial pelo “time” da UTI. Com o tempo, o quadro se agravou e os profissionais se dedicaram ao máximo para que ele estivesse confortável e a família ficasse bem esclarecida sobre todos os detalhes, sempre amparada emocionalmente. Infelizmente o paciente veio a óbito, mas os familiares - mesmo enlutados, foram até o HEF para agradecer todo carinho e cuidado que receberam.

Para Denise Pinheiro, irmã de Espedito, o vínculo criado entre a equipe do HEF e a família será sempre uma memória de gratidão. “Foi um processo de internação muito humanizado, em que nossa família teve todo suporte durante o tempo em que ele permaneceu no hospital. Foram dias de altos e baixos, mas sempre sentimos o cuidado e o acolhimento. Como familiares, nos sentimos no dever de agradecer! Nós saímos daqui com essa sensação de encantamento e é esse sentimento que vamos levar pelo resto das nossas vidas. Toda equipe do HEF está de parabéns por implementar tamanho olhar voltado para a família na jornada do paciente”, declara Denise, emocionada.

Observando todo trabalho desenvolvido até aqui, Ana Brito, diretora do HEF, explica que os frutos da humanização são o motivo para que haja mais dedicação.  “Essa jornada é construída no dia a dia e de forma coletiva. Nossa meta é atender com excelência toda a população de Formosa e região, reafirmando nosso objetivo de sermos referência em atendimento e humanização.”

 

Processo de luto

Os profissionais de saúde do HEF estão preparados para fornecer suporte aos familiares durante o processo de luto.  De acordo com Luiza Khalil, psicóloga do HEF, o acolhimento após a notícia de óbito é inteiramente voltado para a validação das emoções expressas dos familiares.

“É fundamental demonstrar o apoio que se faz necessário naquele momento, seja através de uma palavra, de um abraço ou somente da presença de um profissional. É o momento em que o familiar pode se despir e deixar as emoções virem à tona, e ser de fato um ser humano. É sobre elaborar o luto não como algo doloroso para sempre, mas como algo que cada pessoa tem o seu tempo para lidar, e que esse tempo deve ser respeitado”, pontua a psicóloga.

E para acompanhar notícias da unidade hospitalar e dicas de saúde, basta clicar no link e participar do grupo de WhatsApp: bit.ly/43gh0FG.

 

Assessoria de Comunicação do HEF

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Últimas