Hetrin realiza atendimento humanizado com projeto “Mais Vida, Mais Viver”

Equipe multidisciplinar desenvolve atividades para melhorar a experiência dos pacientes durante o processo de recuperação

 

IMED - Instituto de Medicina, Estudos e Desenvolvimentos | Hetrin | Projeto "Mais Vida, Mais Viver" | Goiás
Projeto “Mais Vida, Mais Viver” pela equipe multidisciplinar do Hetrin

A equipe multidisciplinar do Hospital Estadual de Trindade (Hetrin), unidade do governo do estado de Goiás e administrado pelo IMED (Instituto de Medicina, Estudos e Desenvolvimento) está sempre trabalhando para humanizar o atendimento e os tratamentos ofertados aos pacientes na unidade. Para isso, o projeto “Mais Vida, Mais Viver” foi desenvolvido com a missão de retirar os pacientes da ventilação mecânica em um menor tempo, diminuindo as chances de prováveis sequelas e melhorando a experiência no processo de recuperação.

Integrado à Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hetrin, os profissionais desenvolvem dispositivos de acordo com as necessidades dos pacientes. Segundo a terapeuta ocupacional Thais Ribeiro, o mais importante é fazer o paciente se sentir motivado e entender a UTI como apenas uma etapa do tratamento. Um exemplo desse cuidado é o uso de cunhas de posicionamentos para o paciente se sentir mais confortável.

Para a diretora da unidade, Vânia Fernandes, o principal objetivo do projeto é a retirada do paciente do leito com o intuito de melhoria e recuperação para pacientes graves. “Ainda que o paciente esteja com a ventilação mecânica, a saída do leito, quando prescrita corretamente pela equipe, auxilia de maneira exponencial no ganho da força muscular, além de diminuir o tempo de internação de uma maneira mais humanizada”, relata.


Além das paredes da UTI

Aos pacientes com avaliação médica positiva, o projeto oferece a integração social, levando-os para um banho de sol. Segundo o fisioterapeuta da UTI, Luís Paulo Vieira, tirar os pacientes do cuidado intensivo tem apresentado bons resultados àqueles com ventilação mecânica. “O paciente ganha mais força e trabalha melhor as funções motoras e respiratórias. Isso facilita a retirada do respirador, que, posteriormente, o levará à alta”, afirma o fisioterapeuta.

Além do banho de sol, o projeto conta com atividades de pintura, jogos de imagem e raciocínio, e treinos de atividades de vida diária (AVD’s), promovendo maior independência aos pacientes. Essas atividades incluem alimentação, banho, vestir e despir, pentear os cabelos e demais ações que exigem um maior esforço para pessoas acamadas e enfermas.

São aptos para esse processo os pacientes com estabilidade hemodinâmica – parâmetros normais de pressão arterial e frequência cardíaca, em ventilação mecânica – respiração por aparelho, ou em ventilação espontânea – respiração normal (sem auxiliar de oxigênio), ausentes de sedação.

O coordenador da equipe multidisciplinar, Bruno Assis, explica que a perspectiva de criação do projeto é de proporcionar um momento de pertencimento ao paciente, pois faz parte do tratamento ressaltar a importância da equipe multidisciplinar. “No momento em que o paciente recebe as abordagens do projeto, ele se distrai e ao mesmo tempo percebe seu corpo, suas funcionalidades e potencialidades. Isso, de forma geral, reacende no paciente a força para se reabilitar e, o quanto antes, ir para casa”, relata o coordenador.


Assessoria de comunicação do Hospital Estadual de Trindade – HETRIN

Isabela Maione – isabela.maione@ecco.inf.br

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem

Últimas